Instagram está a caminho de superar o Twitter como fonte de notícias

Uma porcentagem equivalente de pessoas agora usa o Instagram para notícias, assim como o Twitter, de acordo com novos dados do Reuters Digital News Report. Cerca de 11% dos entrevistados em 12 países disseram ter usado o aplicativo de compartilhamento de imagens para notícias – quase o dobro do que era em 2018 – em comparação com os 12% que disseram que recorrem ao Twitter para obterem notícias. Se o Instagram se tornar um destino de notícias, os anunciantes talvez precisem ter mais cuidado com os problemas de segurança da marca na plataforma.

Usuários mais jovens, em particular, têm muito mais probabilidade de recorrer ao Instagram para obterem notícias. Nos EUA, especificamente, 12% dos adultos em geral usaram o Instagram para notícias relacionadas ao coronavírus em abril, mas mais que o dobro (26%) das pessoas de 18 a 24 anos o usaram para esse fim. Embora o texto ainda seja o modo mais popular de consumo de notícias digitais, é mais provável que o público mais jovem do que as gerações anteriores prefira formatos visuais de narrativa para suas notícias, para as quais o Instagram é mais adequado. Com tantos jovens saindo de plataformas como o Facebook, os editores podem aproveitar a oportunidade de alcançar mais jovens via Instagram.

Se recorrer ao Instagram para obter notícias se tornar um hábito mais permanente, os anunciantes precisarão prestar mais atenção à segurança da marca. O Instagram tem sido um portal mais voltado para divulgar o estilo de vida das pessoas, o que o tornou relativamente seguro para marcas que procuram anunciar em uma plataforma com menos bagagem política do que sites como Facebook e Twitter – mas com as notícias começando a invadir a plataforma, isso pode mudar.

Por exemplo, muitos influenciadores receberam críticas por continuarem com campanhas de marketing em meio a protestos em todo o país – com tantos usando a plataforma para postar memoriais e atualizações sobre protestos, os posts patrocinados como de costume pareciam particularmente surdos. Se a base de usuários do Instagram começar a se envolver com conteúdo de notícias potencialmente mais sensível ou controverso, é possível que a plataforma possa estimular um envolvimento mais intenso e indesejado. Nesse caso, a própria plataforma pode precisar intervir para garantir a segurança da marca, da mesma forma que o Twitter precisou limpar contas e fazer alterações em suas métricas para reduzir a aparição dos anúncios ao lado de conteúdos odiosos.

Fonte: Nina Goetzen – Business Insider

Deixe uma resposta