LinkedIn adiciona pesquisas e eventos em vídeo ao vivo para conseguir mais engajamento virtual

Com uma grande parte do mundo realizando, quando possível, trabalhos em casa, o foco atual está na melhor maneira de recriar a atmosfera de um escritório virtualmente e em como replicar o trabalho essencial on-line que costumava ser feito pessoalmente. O LinkedIn anunciou duas grandes atualizações de novos recursos que apontam para como ele está tentando desempenhar essas duas funções: está lançando um novo recurso de pesquisas para que os usuários analisem opiniões e obtenham feedback; e também um novo “LinkedIn Virtual Events” ferramenta que permite às pessoas criarem e transmitirem eventos de vídeo através de sua plataforma.

Apesar de agora pertencer à Microsoft, curiosamente não parece que o serviço de Eventos Virtuais esbarre no Teams ou no Skype, os outros dois grandes produtos de vídeo da Microsoft que estão bem atarefados nesse momento em que o uso de streaming de vídeo para trabalho, educação e diversão está ultrapassando o teto.

O recurso de pesquisas apresenta – você pode ver um exemplo de um na foto abaixo ou responder a uma pesquisa específica aqui – uma maneira rápida e simples de fazer uma pergunta e incentivar o engajamento. O LinkedIn diz que uma pesquisa leva apenas cerca de 30 segundos para ser criada, e responder não requer pensar em algo para escrever, mas dá ao entrevistado mais uma ‘voz’ do que ele ou ela obteria apenas fornecendo um ‘like‘ ou uma reação semelhante.

Mas como em alguns outros recursos sociais que o LinkedIn vem implementado ao longo dos anos, seu lançamento não chegou no melhor momento. Com relações as pesquisas, você pode dizer que já é frustrantemente tarde demais … ou que deixou a festa muito cedo.

O recurso foi descoberto primeiro pela desenvolvedora e criadora de aplicativos Jane Manchun Wong há algumas semanas, mas chegou anos depois que o Twitter e o Facebook já realizam pesquisas em suas plataformas. Eu diria que demorou anos para o LinkedIn acompanhar, mas na verdade eles tinham pesquisas funcionando anos atrás, no entanto escolheram apagar essa ferramenta em 2014.

Você poderia argumentar que o LinkedIn considerou mal a direção que o social seguiria com o engajamento, ou que demorou muito para ressuscitar a experiência, ou que a novidade do conceito que agora se desvaneceu. Ou você pode dizer que o LinkedIn escolheu o momento certo para trazê-lo de volta, em uma situação em que as pessoas passam mais tempo online do que nunca e procuram maneiras de variar a experiência e interagir.

Aqueles que forem criar pesquisas terão essa opção no menu de itens ao iniciar uma nova postagem. Eles podem adicionar quatro preferências/opções às respostas da pesquisa e decidir quanto tempo gostariam que a pesquisa permanecesse no intervalo de 24 horas à duas semanas. Você também pode escrever uma introdução para acompanhar sua pesquisa com hashtags e aparecer em mais pesquisas.

Duas distinções importantes das pesquisas do LinkedIn, como você pode ver acima, são que você está pesquisando um público muito específico de pessoas em seu círculo profissional, e essas pessoas podem responder à pesquisa, mas também podem incluir comentários e reações. Ambos recursos definem como a ferramenta opera no LikedIn, o diferenciando dos outros, e o que deve gerar… engajamento.

A ferramenta “LinkedIn Virtual Events“, enquanto isso, também se enquadra em objetivos semelhante a das pesquisas: é uma maneira de levar as pessoas a se envolverem mais no LinkedIn, ele acessa tendências que são enormes fora da plataforma – neste caso, a videoconferência – e é algo que está surpreendentemente atrasado no LinkedIn, dados os ativos de produtos existentes.

Mas é também potencialmente – potencialmente porque o Live ainda está em uma fase apenas para convidados – que irá se mostrar muito popular porque vai preencher uma necessidade muito específica.

O LinkedIn Virtual Events é uma fusão de dois produtos que o LinkedIn lançou no ano passado, uma ferramenta de transmissão de vídeo ao vivo chamada LinkedIn Live, e seus esforços para promover uma linha lateral em redes offline, com o networking pessoal do LinkedIn Events. A ideia aqui é que, embora os eventos físicos tenham sido interrompidos na situação mundial atual – muitas cidades estão com as atividades em grupo interrompidas na tentativa de retardar a disseminação do novo coronavírus – você pode continuar usando os Eventos do LinkedIn para planejá-los, mas agora também realizá-los na plataforma Live

Dado o tamanho da indústria de conferências, suponho que estaremos vendo muitas tentativas de recriar algo desses eventos em um contexto virtual. A iniciativa do LinkedIn através dos Eventos Virtuais pode, portanto, torna-lo um forte concorrente para hospedá-los.

Quando o LinkedIn lançou o Events, perguntei à empresa se ela planejava expandi-los on-line usando o ‘ao vivo’, e esse parecia ser o plano. O LinkedIn agora diz que “acelerou” seu roteiro de lançamento de produtos – o que não é surpresa, dado o mercado atual – ao mesclar os dois produtos para audiências específicas.

É por isso que aceleramos nosso roteiro de produtos para oferecer uma integração mais estreita entre o LinkedIn Events e o LinkedIn Live, transformando esses dois produtos em uma nova solução para eventos virtuais que permite que você fique conectado às suas comunidades e encontre seus clientes onde quer que estejam. Esta nova oferta foi criada para ajudá-lo a fortalecer o relacionamento com públicos-alvo mais específicos.

Esta não é uma integração simples, devo destacar: o LinkedIn está trabalhando com parceiros de transmissão de terceiros – a lista inicial inclui Restream, Wirecast, Streamyard e Socialive – para aumentar o nível de qualidade da produção, o que será essencial especialmente se você estiver pedindo às pessoas que paguem pelos eventos e se você tem alguma esperança de replicar alguns dos recursos de networking que são importantes para conferências e outros eventos presenciais.

Também vem se baseando no que tem sido um produto de sucesso até agora para o LinkedIn: a empresa diz que o Live tem 23 vezes mais comentários por postagem e 6 vezes mais reações por postagem do que o simples vídeo postado.

Fonte: Tech Crunch por Ingrid Lunden

Deixe uma resposta